Interação entre a Nutrição Clínica e a Alimentação e Nutrição Coletiva no ambiente hospitalar

Enviado por chefianutricao, seg, 23/05/2016 - 14:25

Interação entre a Nutrição Clínica e a Alimentação e Nutrição Coletiva no ambiente hospitalar

“Que teu alimento seja teu remédio e que teu remédio seja teu alimento”

Hipócrates (460 - 377 a. C.)

 

O estudo Inquérito Brasileiro de Avaliação Nutricional Hospitalar, realizado em 1996, avaliou a desnutrição durante a internação hospitalar em 4000 pacientes. De acordo com esse estudo, a desnutrição chegou a atingir 61,0% dos pacientes quando se prolongou por mais de 15 dias, sendo que na admissão acometia 31,8% destes indivíduos (WAITZBERG; CAIAFFA; CORREIA, 2001).  Mesmo  passados 20 anos do IBRANUTRI, muitos estudos apontam para o aumento do risco nutricional em pacientes hospitalizados (GABBARDO; ARAUJO; BOSCAINI, 2014)( ALENCAR;  LEITÃO;PRADO, 2015)(FACINA, 2015) (SANTOS, SILVA, SOUZA, LACERDAS, XAVIER, 2015). 

 A desnutrição interfere negativamente no prognóstico dos pacientes hospitalizados, prolongando o tempo de permanência e os custos hospitalares (NORMAN et al., 2008).

 Não só a situação clínica e os procedimentos terapêuticos afetam o estado nutricional dos pacientes internados em unidades hospitalares, alguns fatores subjetivos também podem estar envolvidos na redução da ingestão de alimentos, como, por exemplo, aceitação das da quantidade de refeições propostas, prescrição dietética diferente dos costumes e cultura do paciente, preferências alimentares, estado emocional comprometido, rejeição a apresentação e tempero dos alimentos oferecidos, entre outros fatores.

 A atividade dos profissionais nutricionistas que atuam nas enfermarias hospitalares envolve a identificação dos fatores clínicos e subjetivos que possam colocar o indivíduo em risco nutricional. Esse profissional elabora o diagnóstico nutricional, com base nos dados clínicos, bioquímicos, antropométricos e dietéticos aliando todas essas informações com dados relativos à aceitação da prescrição dietoterápica pelo paciente realizando intervenções sempre que necessário.

Um dos desafios do Serviço de Nutrição Hospitalar é aliar as necessidades dietoterápicas individualizadas dos pacientes internados ao contexto da Alimentação e Nutrição coletiva. 

O nutricionista de alimentação coletiva atua na gestão, planejamento, coordenação, logística e supervisão de todas as atividades que envolvem a produção de refeições hospitalares, além de coordenar os colaboradores responsáveis pela elaboração e distribuição das refeições fazendo o contato entre o serviço e o paciente.  

 O nutricionista clínico avalia e acompanha o paciente, conhecendo suas necessidades e preferências alimentares, trabalhando em conjunto com o nutricionista da alimentação coletiva para construir um serviço de nutrição hospitalar que leve em consideração, além das necessidades nutricionais, os aspectos sensoriais da alimentação, o porcionamento acordado das refeições, a elaboração de cardápios atraentes e estratégias de atendimento que visem recuperar/manter o quadro nutricional dos pacientes internados.

Apesar das atribuições específicas, a integração entre as duas áreas no ambiente hospitalar é essencial para atingir a principal missão das unidades hospitalares: a recuperação da saúde do paciente.